A produção da crença, de Pierre Bourdieu

produção da crença
A produção da crença, de Pierre Bourdieu

O sociólogo Pierre Bourdieu (1930-2002) foi um dos mais importantes sociólogos da segunda metade do século XX. Autor de “As regras da arte”, um livro fundamental para aqueles que queiram estudar as relações internas e externas do campo artístico Bourdieu é um dos personagens centrais da sociologia da segunda metade do século XX. De sua autoria a editora Zouk traz um compilado de ensaios escritos pelo autor na década de 70 e publicado sob o título de “A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos”.

Pierre Bourdieu
Pierre Bourdieu

Nesta obra, Bourdieu tratará de temas que ele irá retomar com frequência ao longo da carreira: as regras da economia simbólica que regem o campo da arte e o da cultura. São nestes três ensaios que Bourdieu discorrerá de forma mais clara sobre conceitos-chave no entendimento da sua abordagem sobre o tema. Tratados de maneira objetiva nestes ensaios, os conceitos de capital simbólico, capital cultural e violência simbólica são alguns dentre os mais indispensáveis para quem queira compreender uma gama ampla de estudos sobre arte, sociedade e cultura não só no campo da sociologia, mas também no da história cultural e da produção acadêmica musicológica a partir do final da década de 1970.

No primeiro ensaio, vemos Bourdieu apresentar os agentes do campo da arte que ele trabalhará ao longo de sua obra, bem como esboçar o mecanismo de funcionamento deste campo. No segundo, tratará de maneira mais objetiva a questão da produção social da crença, uma das contribuições mais importantes da sociologia de Bourdieu e fundamental para todos que estudam o campo das artes e da cultura de maneira geral. No último, tratará acerca dos modos de dominação simbólica presentes na sociedade, mostrando as relações entre cultura e política. O conceito de violência simbólica é tratado de maneira focal neste ensaio, conceito este fundamental para o estudo dos modos de distinção social que vão muito além do campo material, como a questão do gosto.

Considerado por muitos como um autor de difícil acesso e de linguagem intrincada, Bourdieu se apresenta nesses ensaios de maneira mais sucinta, clara e objetiva, sendo este o motivo principal pelo qual esta coletânea representa uma das melhores portas de entrada para o pensamento deste sociólogo.

………………………

Importante: Os textos deste espaço são autorais, exclusivos e de propriedade do Música e sociedade, tendo todos seus direitos reservados conforme previsto em lei. Compartilhamentos em redes sociais e outros sites, contanto que contenham a menção da fonte, são muito bem vindos e não requerem autorização prévia.

Compartilhar
Artigo anteriorO quarteto de cordas e a construção do gosto musical
Próximo artigoO espaço dos possíveis
É o idealizador, criador e proprietário do Música e Sociedade, resultado de uma ampla e densa pesquisa acerca do universo musical pelo prisma da sociedade. Estudou licenciatura em música no Instituto de Artes da UNESP. É também professor nas áreas de composição, piano, história da música e trilha sonora, ministrando uma série de cursos e palestras nestas áreas. É autor de dezenas de trilhas sonoras para as mais diversas mídias, tais como teatro, cinema e dança, além de compositor de música de concerto em uma extensa variedade de gêneros.