Cenário da Pesquisa Musical Brasileira – o XXVI Congresso Internacional da Anppom

Em épocas de consideráveis desgastes brasileiros na política, educação e economia, a permanente relevância dos encontros sobre artes torna-se cada vez mais rara. Ainda mais quando se trata da pesquisa acadêmica em música. Os músicos-pesquisadores, em sua maioria, percorrem jornada dupla: assumem considerável carga de pesquisa na universidade além de trabalhar em várias atividades musicais extras. Geralmente poucos são contemplados com bolsas e pouquíssimos tem o privilégio da editoração e reconhecimento artístico de suas pesquisas. Portanto, é uma atividade árdua, ainda pouco valorizada no Brasil e de permanente dedicação.

Por esta razão vale ressaltar a nobreza da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música que há vinte e seis edições sustenta um congresso anual, reunindo pesquisadores de todo o país, integrando conhecimento musical científico.

Cartaz do Congresso
Cartaz do Congresso

Neste ano, o evento ocorreu de 22 a 26 de agosto, em Belo Horizonte – Minas Gerais, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais) e Programa de Pós-Graduação em Música da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). O tema selecionado vem de encontro às necessidades advindas da prática musical: “Criação Musical, Criações Artísticas e a Pesquisa Acadêmica”.

No site do congresso há o seguinte relato:

Muito embora a criação artística tenha por vocação a abertura à interdisciplinaridade e, por conseguinte, venha reivindicando dos pesquisadores perspectivas metodológicas e conceituais provenientes do diálogo entre as diferentes áreas do conhecimento ou mesmo entre as suas subáreas, ainda são raros os fóruns acadêmicos em que tais perspectivas são colocadas em diálogo. Há sobretudo, em nossa percepção, uma timidez no que se refere à abertura dialógica dentro do próprio campo. Esta timidez, por vezes, é justificada pela reverência à tecnicidade própria das diversas linguagens artísticas.

Neste sentido é que o XXVI Congresso da ANPPOM nos convida a criar um espaço de reflexão crítica onde possamos rever e (re)situar nossos modelos de pesquisa em arte a partir do reconhecimento da própria tensão (dialógica) criativa imanente a ela. Assim, o XXVI Congresso da ANPPOM propõe:

a) Discutir a perspectiva interdisciplinar inerente ao campo das artes/música e suas relações epistemológicas, conceituais e metodológicas;
b) Refletir sobre os modos de pensar e produzir a pesquisa em artes do ponto de vista artístico e acadêmico;
c) Ampliar as possibilidades de diálogo entre as subáreas da música (intradisciplinaridade), bem como entre a música e as outras artes (interartes), explicitando assim pontos de interseções existentes no campo.

O congresso da Annpom deste ano teve como sede a cidade de Belo Horizonte
O congresso da Annpom deste ano teve como sede a cidade de Belo Horizonte

Helena Lopes e Ana Claudia Assis, as organizadoras do congresso, em todo o decorrer dos cinco dias de comunicações, grupos de estudo e concertos, não deixaram de explicitar a necessidade de ampliação do debate entre as áreas de artes e música, incentivando o espaço aberto para a reflexão crítica, considerando a urgência de posicionar as pesquisas em artes além do estímulo ao diálogo entre os diversos campos da música na academia.

Nos cinco dias de congresso, além das conferências, houveram comunicações de artigos nas seguintes subáreas: composição, educação musical, etnomusicologia, música e interfaces (Cognição; Dramaturgia e Audiovisual; Mídia; Musicoterapia; Semiótica), música popular, musicologia e estética musical, performance, sonologia, teoria e análise musical. Houveram também treze apresentações artísticas, quatro concertos, quatro mesas redondas além da conferência magna de abertura com o professor Mário Vieira de Carvalho (CESEM – Universidade Nova de Lisboa).

Apresentações musicais marcaram o evento.
Apresentações musicais marcaram o evento.

Diariamente, após as comunicações, nove grupos de trabalho discutiam as seguintes temáticas: Políticas públicas culturais e educacionais no Brasil; Políticas públicas de ciência, tecnologia, e inovação no Brasil; Musicologia histórica e patrimônio arquivístico-musical; Pedagogia da performance musical na Educação Superior; Integração entre música e artes em processos educativos e artísticos musicais; Composição, Teoria e Análise; A tecnologia como ferramenta na pesquisa em Artes/Música; Ética na pesquisa em Artes/Música e Integração entre graduação, pós-graduação e sociedade na área de música – cada qual em uma sala distinta, cuja finalidade foi a composição de uma carta destinada a cada tema exposto nos grupos, descritos nos anais da Anppom.

Duas novidades interessantes deste encontro foram a abertura para trabalhos concluídos de iniciação científica, o que afirma o caráter de integração entre graduação e pós, além da Mostra Síncrona – galeria de arte elaborada para a Anppom 2016 – que reuniu performances musicais e visuais.

Por fim, é importante ressaltar que as atividades elaboradas durante a Annpom produzem frutos importantes. Resultados de iniciativas como esta não serão deixados à marginalidade. Artigos selecionados e comunicados, cartas escritas e grande movimentação musical são elementos poderosos para fomentar a extrema ampliação de conhecimento artístico promovido pelo XXVI Congresso da Anppom e muitos outros que conservam tais debates.

Compartilhar
Artigo anteriorRichard Wagner, Luis Bonaparte e a ópera Tannhäuser em Paris
Próximo artigoMúsica e Sociedade Entrevista: Lia Tomás – Música e Nazismo (1ª Parte)
Mestranda em Música pela UNICAMP Bacharela em Música pelo Instituto de Artes da UNESP (2011) e graduada em Programa Especial de Formação Pedagógica em Artes - Claretiano Instituto Universitário (2013). Atualmente atua como regente de coros, pianista e professora de música. É professora de piano, musicalização para bebês e regente da Escala Atividades Musicais além de pianista, professora de música e arranjadora no próprio espaço,Cafôfo Home Studio – Vila Prudente. Tem longa experiência na área de Artes, com ênfase em Coro, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem musical, regência coral, qualificação de coros, técnica vocal para coros e música e movimento. Currículo Lattes - http://lattes.cnpq.br/1151223562298870